32B.2023 • I Jornadas Pedagógicas POVOAR.TE [Parte II - Colaborar, programar e pensar o PCE]

30-08-2023

PROGRAMA

I Jornadas Pedagógicas POVOAR.TE

Município Póvoa do Lanhoso

13 de setembro de 2023

9:30/12:30

Parte I – O que pode a arte? (ACD 32A.2023)

Horas

TÓPICO

DESCRIÇÃO

9h00/9h30

(00:30)

Acolhimento e entrega de pastas

Receção aos participantes, assinatura da lista de presenças e entrega de pasta com a programação.

9h30/10h15 (00:45)

Conferência de abertura

A missão do PNA

Da democratização á democracia cultural.

O poder da arte. O que pode a arte? Como se constrói uma comunidade onde a cultura seja transformadora na vida dos cidadãos?

10:30/10h35

(00:05)

Protocolo de colaboração

Assinatura do protocolo de colaboração entre Município da Póvoa de Lanhoso, PNA, Agrupamentos escolares e EPAVE.

10h35/11h00

Pausa para café

11:00/12:00

(00:60)

Partilha de experiências/projetos de escolas

Projeto: “Festival Barro à parede”, pelo AE Alcaides de Faria – Barcelos.

Projeto: “Alice in Mirrorverse”, pelo Colégio Machado Ruivo – Famalicão.

12:00/12:30

(00:30)

Período aberto ao público

Período aberto ao público para debate e formulação de questões.

Ação de Formação de Curta Duração

Programa Temático

(Decreto-lei n.º22/2014 e Despacho n.º5741/2015)

Designação da ACD

I jornadas pedagógicas POVOAR-TE – Parte I

O que pode a arte?

Formador(es) Grau académico de Mestre ou superior

Nome

Grau Académico

Suzana Leite

Mestrado

Paulo Pires do Vale

Mestrado

Área de formação

Formação educacional geral e das organizações educativas

Razões justificativas na abordagem aos conteúdos das diferentes disciplinas (indicar a relação direta com o exercício profissional - artº 5º, nº 2- a) do Despacho 5741-2015)

O Plano Nacional da Artes (PNA), criado pelo Ministério da Cultura e pelo Ministério da Educação tem como Missão promover a transformação social, mobilizando o poder educativo das artes e dos patrimónios na vida dos cidadãos: para todos e com cada um.

O eixo C - Educação e acesso - visa a implementação do programa “Indisciplinar a Escola”, recorrendo ao poder educativo das artes e dos patrimónios, na escola e na comunidade local, assumindo-se a escola como um polo cultural e toda a comunidade como território educativo.

Num contexto de democracia cultural, considera-se a produção como um recurso pedagógico, criativo e transdisciplinar na abordagem aos conteúdos das várias disciplinas, com uma clara intencionalidade educativa, em conformidade com os objetivos estratégicos definidos nos documentos orientadores dos AE/ENA.

Nas escolas da rede PNA, o desenvolvimento dos Projetos Culturais de Escola (PCE) exige que o espaço seja, todo ele, território educativo e a programação em colaboração seja uma constante. Pretende-se que as comunidades educativas colaborem articuladamente, no seu seio, mas também em estreita colaboração com as organizações culturais locais.

Objetivos

I. Refletir sobre o poder das artes, do património e da cultura na vida dos cidadãos – e nas comunidades educativas, em particular;

II. Identificar o PNA enquanto agente de transformação social e garante do acesso à cultura para todos e com todos;

III. Reconhecer o efeito transdisciplinar/indisciplinar das artes e do património na gestão curricular;

IV. Sensibilizar para a importância de elaborar um Projeto Cultural de Escola (PCE);

V. Apresentar o PCE como uma metodologia de trabalho de projeto que visa a conceção de uma programação cultural e artística, participativa, transdisciplinar, integradora e sustentável;

VI. Valorizar a fruição e a produção como forma de proporcionar aprendizagem e o desenvolvimento de competências no âmbito do PASEO;

VII. Refletir no processo de constituição da Comissão Consultiva do PCE;

VIII. Valorizar a constituição de redes de colaboração, locais e regionais, dentro e fora do universo escolar, com vista ao mapeamento e desenvolvimento de territórios de ação cultural/educativa;

Público – alvo

Educadores de Infância e professores do ensino básico e secundário e educação especial

Duração

03:00h

Local de realização

Theatro Club – póvoa de Lanhoso

Calendário/horário

Dia 13 de setembro de 2023 – Entre as 9:30/12:30

Instrumento de avaliação

Formandos:

Inquérito de satisfação

Parte II - Colaborar, programar e pensar o PCE (ACD 32B.2023)

Horas

TÓPICO

DESCRIÇÃO

14:30/15:00

(00:30)

Boas Vindas e acolhimento

Apresentação e Objetivos do Workshop

O que nos une e nos separa…

15:00/15:15 (00:15)

Colaborar

O que é colaborar?

15:15/15:30

(00:15)

Programar

O que é programar?

15:30/16:20

Colaborar e programar na escola - PCE

Para colaborar e programar:

É importante;

Tem que existir;

É urgente;

Temos de mudar.

16:20/16:30

Intervalo

Intervalo

16:30/16:45

(00:15)

Projetos colaborativos

Como agir em colaboração?

16:45/17:15

(00:30)

Formulação do desejo

Como planear um projeto colaborativo

Primeira etapa – O quê?…

17:15/17:30

(00:15)

Programação em colaboração – PCE

Debate Final

Apresentação e reflexão em torno das etapas de construção de um PCE: Porquê? Para quê? Com quem? Para quem? Onde? Com o quê? Que recursos? Quando?

Ação de Formação de Curta Duração

Programa Temático

(Decreto-lei n.º22/2014 e Despacho n.º5741/2015)

Designação da ACD

Colaborar, programar e pensar o PCE

Formador(es) Grau académico de Mestre ou superior

Nome

Grau Académico

Maria Luísa Oliveira

Mestre

Joana Félix

Doutoramento

Suzana Leite

Mestre

Área de formação

Formação educacional geral e das organizações educativas

Razões justificativas na abordagem aos conteúdos das diferentes disciplinas (indicar a relação direta com o exercício profissional - artº 5º, nº 2- a) do Despacho 5741-2015)

O Plano Nacional da Artes (PNA), criado pelo Ministério da Cultura e pelo Ministério da Educação tem como Missão promover a transformação social, mobilizando o poder educativo das artes e dos patrimónios na vida dos cidadãos: para todos e com cada um.

O eixo C - Educação e acesso - visa a implementação do programa “Indisciplinar a Escola”, recorrendo ao poder educativo das artes e dos patrimónios, na escola e na comunidade local, assumindo-se a escola como um polo cultural e toda a comunidade como território educativo.

Num contexto de democracia cultural, considera-se a produção como um recurso pedagógico, criativo e transdisciplinar na abordagem aos conteúdos das várias disciplinas, com uma clara intencionalidade educativa, em conformidade com os objetivos estratégicos definidos nos documentos orientadores dos AE/ENA.

Nas escolas da rede PNA, o desenvolvimento dos Projetos Culturais de Escola (PCE) exige que o espaço seja, todo ele, território educativo e a programação em colaboração seja uma constante. Pretende-se que as comunidades educativas colaborem articuladamente, no seu seio, mas também em estreita colaboração com as organizações culturais locais.

A reflexão em torno de conceitos como espaço de aprendizagem, colaboração, programação e programação em colaboração, afigura-se como determinante para a conceção, planeamento e execução do PCE e do seu efeito transformador da comunidade educativa.

Assim, identificar os fatores que condicionam o trabalho colaborativo e as oportunidades de programação em colaboração, em ambiente de questionamento, abertura, inovação e descoberta, facilita o aprender em conjunto e o contacto com metodologias ativas que mobilizam diversas linguagens e manifestações artísticas e o desenvolvimento de inteligências múltiplas.

Objetivos

I. Refletir sobre as oportunidades criadas pelos PCE’s no que diz respeito à presença das artes e dos patrimónios na escola, de forma diversificada;

II. Considerar a produção como um recurso pedagógico, criativo e transversal na abordagem aos conteúdos das várias disciplinas;

III. Apresentar o PCE como uma metodologia de trabalho de projeto que visa a conceção de uma programação em colaboração cultural e artística, participativa, transdisciplinar, integradora e sustentável;

IV. Identificar o trabalho colaborativo e a programação em colaboração enquanto oportunidade de aprendizagem continua para todos e de construção de uma cultura de questionamento, inovação e descoberta, pelo aprender em conjunto;

V. Reconhecer o efeito transdisciplinar/indisciplinar das artes e dos patrimónios na gestão curricular;

VI. Valorizar a fruição e a produção como forma de proporcionar aprendizagem e o desenvolvimento de competências no âmbito do PASEO;

VII. Identificar etapas na conceção e planeamento de um projeto colaborativo.

Público – alvo

Educadores de Infância e professores do ensino básico e secundário e educação especial

Duração

03:00h

Local de realização

Theatro Club – Póvoa de Lanhoso

Calendário/horário

Dia 13 de setembro de 2023 – Entre as 14:30/17:30

Instrumento de avaliação

Formandos:

Inquérito de satisfação

Duração3 horas. 3
Dias de Duração1
Modalidade:Ação de Curta Duração
FormaçãoGeral
Acreditação